segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Caso Freeport e a crise



Estou inteiramente de acordo que apurem a verdade, independentemente de quem a conseguir apurar seja Português, Inglês ou até mesmo Chinês, este ultimo provavelmente até saia mais barato, a um euro talvez.
Mas há aqui um pequeno senão, pois no caso dos Ingleses se bem me recordo, em alguns casos não permitiram os Portugueses meterem o bedelho, ou pelos irem até ao fim com as suas investigações.
Com sede de justiça, irão acabar por subestimar ainda mais o já envergonhado Portugal, na Europa.
É pena de facto, termos um governo tão aquém das expectativas no que ao acto de governar diz respeito, mas por outro lado, também não vejo na Europa nenhum país das maravilhas, nem muito menos nenhum cidadão europeu a conseguir fazer plantações da arvore das patacas.

Fala-se muito na crise, mas não tenhamos ilusões, esta dita crise não é para todos, pelo menos para aqueles que já vivem no fio da navalha há muitos anos, ou que nunca conheceram outra situação que não a referida.
Quanto ao que apurei durante os 28 anos da minha existência, os meus bisa avós viveram em crise, deixaram-na como herança aos meus avós e estes seguidamente, deixaram a mesma herança aos meus pais.
Eu também já comecei a usufruir da dita, mas não a quero deixar aos meus filhos.
E nesta mesma perspectiva, durante todos estes anos, sempre existiram maus governares e meio mundo a encher os bolsos à custa da crise do outro meio, ou então da falta de sentido de oportunidade e de atenção, dos que nela se encontram afundados.

Quanto aos métodos britânicos para descobertas ilícitas, eu questiono se em Inglaterra não haverá já casos suficientes?!... Vieram eles pedir reforços tugas, permitindo assim uma maior transparência?!... Claro que não, nem nunca virão!
Penso que a maior crise que existe neste momento em Portugal, nem é a monetária, mas sim a de identidade.

Relativamente ainda ao caso Freeport, vou deixar aqui uma dica para o Sr. Eng.º (por correspondência), José Sócrates.
Eu sei que ele deve estar atrapalhado e nem tem tempo para pensar, mas como também sei que lê o Digo Eu, esta postagem vai ajudar.
Uma vez que, quem tem a ultima palavra em Inglaterra é o sexo feminino, pois a rainha controla todas as cabeças.
Então, temos aí o antídoto para o mau estar provocado pelos Ingleses, um produto bem nacional…

Zezé Camarinha



Quem melhor para dar a volta às Inglesas? … É sucesso garantido, e caso arquivado!


Sr. Primeiro-ministro, escusa de agradecer… Até porque não é seu hábito!

12 comentários:

Daniel Silva (Sair das Palavras) disse...

In dubio pro reu mas.... tenho as mesmas "certezas" das inocências da casa Pia, do Apito Doutrado, das universidades... ou seja, ele esteve metido, obviamente...

Sanxeri disse...

O Zezé Camarinha é o nosso salvador. Alegrava as inglesas e elas faziam os maridinhos esquecer o caso Freeport. lol

Ricardo disse...

Daniel Silva (Sair das Palavras):

Eu também penso que sim, normalmente onde há fumo há fogo, ou se não há pelo menos houve...

Abraço

Ricardo disse...

Sanxeri:

Claro que sim, é mais do que exito garantido! :)

Beijo

Inês Brito disse...

O Freeport está só no inicio e como já é habito vai ser mais um caso para se arrastar por aí uns bons tempos. Quanto à crise, eu sempre ouvi dizer "que isto está mau" daí que a justificação da hereditariedade de tal fenómeno me pareça bastante plausivel.

Bj,
(i)

Ricardo disse...

Inês Brito:

A economia em Portugal está de facto muito fraca, muito por culpa da inflação!
Mas, então afundamo-nos não saimos de casa e esperamos que a crise passe?!...
Temos que ir à luta, até porque andarem constantemente a falar da dita crise, dá jeito a muita gente para ofuscar muita coisa!

Beijo

escarlate.due disse...

se há culpas ou não... não me compete dizer porque como é óbvio não tenho provas, mas que é de estranhar que um membro (não é só um nem só deste mas adiante) deste governo seja tão frequentemente suspeito, lá isso é... e lamento que dê tão má imagem deste país.

quanto à crise, só há uma forma de combatê-la: trabalho e sinceramente, este não é um povo exemplo disso...
adiante

Camarinha? olha que outro exemplo lusitano tão bom...

haja paciência

Ricardo disse...

Escarlate.Due:

Pelo menos o Zezé tem as Inglesas atrás dele (segundo dizem) e não os Ingleses!
E, até os motivos são bem diferentes... :) :)

Beijo

Tá-se bem! disse...

Oh Ricardo mas o Zézé não se tinha reformado?? :|

Caramba, não há salvação!

Abraçooo ;)

Ricardo disse...

Tá-se Bem:

Pois, mas devido à crise tem que voltar ao activo! :) :)

Abraço

Mαğΐα disse...

Opahhhh
Se te candidatares a um cargo público, avisa... eu voto em ti :D

Ricardo disse...

Magia:

Não me vou candidatar, mas obrigalo pelo apoio! :)

Beijo