sexta-feira, 18 de junho de 2010

Incentivo á inutilidade




Quase 5 meses sem escrever nenhuma linha neste espaço.
Como o tempo passa, o que não deixa de ser interessante é que a ultima vez que aqui vim, deve ter sido no mesmo horário, pelo menos no fundo desta página, na Ribeira está também a anoitecer.

Hoje gostava de partilhar convosco, um sentimento que penso ser unânime entre muitos Portugueses.
Não, não vou falar de nenhuma selecção, porque essa não me dá de comer muito pelo contrário, é pedido ao Zé Povinho para "apertar o cinto" e dá-se liberdade a umas dezenas de "vedetas", para gastar como se não houvesse amanhã, sim, porque é o que estão a fazer os pupilos de Carlos Queiroz na África do Sul... E com o dinheiro, daqueles que têm de "apertar o cinto"!

Mas, o que realmente está a preocupar os Portugueses de bom senso, com carácter e que lutam diariamente por uma vida melhor, é a nova regra que impuseram neste país:

" Cidadão que trabalha, se levanta cedo e luta todos os dias, contribuindo para o bem estar da sua família e desenvolvimento do país, tem que pagar ao estado as suas contribuições por estar a trabalhar.
Cidadão que não gosta, não quer, não pensa nisso e nunca tenciosa fazer a ponta de um corno, é gratificado por isso, recebendo uma espécie de incentivo para continuar assim, que está bem, está numa rica vidinha.
Como provavelmente diria Ricardo Araújo Pereira, é uma especie de rendimento mínimo.

Tenho visto situações e ouvido comentários, em algumas conversas de café, que me "assustam".

Há de facto quem necessite, mas uma grande maioria desta classe, (sem classe) está comodamente a viver ás custas da outra classe, a que trabalha, que injecta mensalmente dinheiro nos cofres do estado,para que sejam pagos estes incentivos á inutilidade.

Uma contribuição enorme, para que o país evolua a todos os níveis, não haja duvidas, muito bem Senhores Ministros!
E agora? Será que este ou outro governo, estarão preparados para tirar este famoso rendimento mínimo a esta maioria, que usufrui dele simplesmente porque não quer nada com o trabalho? Será que estão preparados para o que virá a seguir?

Na minha opinião, este tipo de verbas distribuídas sem nexo algum, penalizando fortemente contribuentes e empresas que são quem sustenta o país, estão sem duvida alguma na origem de a situação económica chegar ao ponto que chegou!

Espero não ferir susceptibilidades com este post, mas também se fosse a pensar nisso não o teria escrito!
Esta é a tal liberdade de expressão, que tantas vezes é apregoada na teoria, mas que na prática nem sempre existe e em muitos casos,trás mesmo dissabores!


Bom fim de semana para todos!

8 comentários:

Armindo Guimarães disse...

Olá, Ricardo!

Finalmente regressaste às bloguices, carago!

E regressaste em grande pois este teu artigo está com uma pinta do carago. E nem sequer devias preocupar-te em não ferires susceptibilidades pois ferida já anda a malta há muito tempo com os políticos incompetentes que temos não só aqui no nosso país como nos restantes países da CE. Andaram a esbanjar graveto a torto e a direito e agora vêm para as TVs e prós jornais armados em anjinhos como se não tivessem culpa no cartório pela situação a que isto chegou. Depois, num acto desesperado de quem quer manter a gamela, vêm a terreiro mandar faladura, dizendo agora uma coisa e logo a seguir outra completamente diferente, que o mesmo é dizer metendo os pés pelas mãos como se já não bastasse andarem todo o tempo a meter água. Deviam era ter posto o país no seguro. Como não puseram, quem paga o acidente?

Qualquer um de nós se provocar um acidente tá lixado que tem que entrar pela madeira dentro. E os políticos? Que responsabilidades têm? Eles é que deviam pagar a crise e não a malta que trabalha para sustentar essa cambada e outros energúmenos que andam por aí a assaltar e a matar a torto e a direito como se já não fosse suficiente o rendimento mínimo que os políticos lhes dão e que sai do nosso bolso.

Como agora há cursos pra tudo, bem que os gajos deviam tirar um curso antes de entrarem na política. Aliás, disseram os políticos que o objectivo dos cursos de formação frequentados por quem trabalha, seria uma mais valia em termos remuneratórios na respectiva empresa, e o que se vê é é gastar-se rios de dinheiro com cursos, malta de carago com diplomas prontos para trabalhar numa empresa mas, em vez disso, continuam a frequentar cursos. Ganham as empresas de formação, ganham os formadores, ganham as entidades empregadoras que aproveitam estagiários para trabalharem de borla, etc. Um forrobodó do carago! Depois, em vez de reformarem os trabalhadores mais cedo para darem o lugar aos mais novos, obrigam-nos a irem trabalhar de bengala enquanto os mais novos andam por aí ao Deus dará, sendo que neste caso Deus somos nós que estamos sempre a desembolsar.

Que direito têm os actuais políticos de criticarem a politica do antigamente? Qual é a diferença? Só vejo uma muito boa, que é esta de eu puder estar a escrever à vontade. Digo eu!

:)

Abraços

Ricardo disse...

Ola Amigo Armindo!

Sinceramente não sei bem onde isto vai parar, se é que vai parar!
Espero não deixar como herança aos meus filhos,uma vida insegura de altos e baixos, pois pelo andar da carruagem, para além do que nós estamos a passar, o que preocupa ainda mais é o que vão passar as gerações futuras!
Este mundial de Futebol por exemplo á algo de provocador, bastante provocador mesmo, mas o pior é que o povo alinha nisso, mesmo aqueles que passam diáriamente por grande dificuldades.
Espero por dias melhores, mas sinceramente não vejo união e consciencia no Povo Português para juntos darmos a volta a isto...

Abraço

Rafeiro Perfumado disse...

Ferir susceptibilidades? Que se lixem! Mas a verdade, Ricardo, é que a solução deste (e de outros governos) é sempre a mesma, disfarçar os problemas à conta do aumento das receitas, sem se preocuparem com o cancro da despesa. E enquanto assim for, quem se lixa somos nós.

Abraço!

Ricardo disse...

Ola Amigo Rafeiro!

Este governo está muito descansado, com a naturalidade e rapidez com que o povo se conforma.
Oxalá um dia isso mude...

Abraço

Anjo De Cor disse...

Olá Ricardo,
Vivemos num fundo de fachado e infelizmente não escolhemos fazer parte deste circo, mas é a realidade que temos.
Beijinhos*

Ricardo disse...

Anjo de Cor:

Uma realidade cinzenta, que todos juntos podiamos colorir!

Beijo

Marta Vasil disse...

Ora agora "digo eu" que já tinha saudades de vir aqui ler umas tantas verdades.
Não vou dizer muito, estou plenamente de acordo contigo e com os registos deixados nos comentários. E passados três meses desta publicação repara nas novas medida do nosso (des)governo. Sinto-me, às vezes,numa gaiola de aço e sem forças para sorrir. Ao mesmo tempo, tenho vómitos por ver toda a nossa inércia perante tais afrontas à dignidade humana. Tudo piorou, não é Ricardo? Os últimos acontecimentos merecem que metas a colherada. Fico à espera.
Um beijo

Ricardo disse...

Marta Vasil:

Ola amiga Marta, és sempre bem vinda.
Infelizmente não tenho tempo para ir actualizando este espaço.
Ora bem, meter a colherada... Se fosse eu e mais uns 5 ou 6 milhões até valia a pena, é que eu não acredito que sozinho seja possível mudar alguma coisa.

Beijo