quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Rivalidades sem sentido


Bairrismo é algo muito forte, segundo especialistas na matéria é possessivo tornando-se fanático.
Na minha opinião não é bem assim, só é grave quando o sentimento bairrista dá lugar a rivalidades perfeitamente escusadas.
Considero-me bairrista por natureza, mas, sou assim com tudo o que gosto e ao que me afeiçoo, sem exageros e com respeito pelas outras formas de pensar.
Ser bairrista é muito mais do que defendermos o nosso bairro, cidade ou país, é uma forma de estar na vida.

Até aqui tudo muito bem, o verdadeiro problema é quando se comete exageros permitindo que este sentimento natural dê lugar a rivalidades, alimentadas por questões e fundamentos completamente à parte da sociedade e da realidade do dia a dia.
Será que, por exemplo, algum dia as pessoas vão conseguir separar o futebol e afins da vida real!?... Sim, vida real, aquela em que existem tantas dificuldades a ultrapassar, sejamos do Norte, Centro, Sul ou ilhas.
Ou será, que por eu ser do Porto, o Lisboeta não me pode dar uma sopa quando tenho fome, ou por ele ser de Lisboa, tenho que lhe negar um agasalho quando ele tem frio?!
Eu sei, estas palavras nem parecem estar a ser proferidas por quem pertenceu a uma grande claque durante anos.
Mas, esse facto não invalida eu raciocinar com peso e medida e dar muito valor às questões mais importantes da vida.
Não gosto do Benfica nem do Sporting, mas gosto dos Lisboetas, não gosto do Vitória, mas gosto dos Vimaranenses, gosto de partilhar culturas e costumes de me sentir em casa onde quer que vá, gosto de ser Português.
Gosto de almoçar em Alvalade sem que por causa do meu sotaque seja olhado de lado, trazer um amigo alfacinha a petiscar na ribeira do Porto, sem que a sua pronúncia provoque mau estar nos ocupantes da mesa vizinha.


A minha opinião, é que já era mais do que tempo de se mudarem muitas mentalidades, posso ser quem sou e continuar com as minhas crenças e costumes, aceitando da mesma forma, que haja muita gente a pensar de maneira totalmente oposta à que eu penso.

Porque não, continuarmos a ser bairristas e sermos ao mesmo tempo muito humanos?!…


video

Ou será, que querem colocar fronteiras a dividir um país tão pequeno?!...


27 comentários:

Marta disse...

Boa tarde,
Antes de mais parabéns pelo excelente fundo que escolheu :)
Eu acho que as rivalidades, principalmente entre Porto-Lisboa são mais que normais. Nenhum quer ser menos que o outro o que naturalmente se reflecte em rivalidades que podem ser de fanáticos sim...

Eu sou de V.N.de Gaia e tenho rivalidades com pessoas do Porto, simplesmente porque defendo o que é meu e tenho orgulho na minha cidade, mas não desvalorizo outras.
Cada uma tem o seu papel, e por vezes as rivalidadades servem apenas para tomar posição acerca de algo que nos é muito próximo.
Gostei de visitar o seu espaço.
Beijinho, continuação de Boas Festas.

Ricardo disse...

Marta:

Olá Marta, obrigado pela visita e comentário.

Há as rivalidades saudáveis, o que é compreensível e acaba por ter uma certa piada e inclusive anima os nossos dias.
Mas há as rivalidades estúpidas e irreflectidas, aquelas que nos fazem desaprender em vez de evoluirmos.
Também sou muito bairrista e muito apegado às minhas origens e costumes, mas, não deixo de conviver ou ajudar alguém só porque é de cidade, A, B, C ou D, alias, tenho amigos oriundos de todos (ou quase todos) os distritos de Portugal...
Acho que há limites de racionalidade, é à falta de senso em cumprir esses limites que me refiro…

Beijo, volta sempre.

Tudo de bom para ti :)

Marta disse...

Ainda bem que aqui vim porque senão não sabia que tinha respondido ao meu comentário :)
Acho que uma pessoa por ser "bairrista" como diz, não tem que deixar de ser tolerante para com as diferenças, porque se fosse assim dentro de um país existiam vários países...

Sobre o seu comentário no meu blogue, agradeço e concordo, acho que muitos meninos "armados aos cágados"podiam e deviam ler aquele texto, eu própria ao escrevê-lo aprendi sempre qualquer coisa.
Obrigada, volte sempre.


PS- Vi que trabalha em marketing, uma das áreas que talvez venha a seguir.

Ricardo disse...

Marta:

Acredita que com os actos de uma percentagem dos portugueses em exagerar nas rivalidades, bem que o país já estaria dividido ha muito tempo, o que vale é o bom senso dos restantes...

Quanto ao teu texto, é uma grande lição de vida! :)

Beijo

escarlate.due disse...

a questão é que rivalidade ou bairrismo não são sinónimo de fanatismo ou falta de civismo (para não lhe chamar falta de neurónios!)

cada um tem direito às suas preferências e ainda bem porque seria um tédio se andassemos todos de amarelinho.

por outro lado eu até acho giro contar, ouvir e rir com as anedotas do norte do centro do sul ou das ilhas. e como sempre gostei de me rir de mim mesma não me incomodam não um pouco.

falta de neurónios... é outra coisa mas sobre essa não me apetece nada perder tempo a escrever

feliz natal Ricardo :)

escarlate.due disse...

oh Ricardo, hoje como é natal vou peir-te uma prenda: eu adoro essa foto de fundo que tens mas... eh pah dá para arranjares para aí uma maneira de facilitar a leitura?


notinha: se não me deres a prenda dou-te eu uma: a conta das lentes extra que vou ter de comprar para continuar a ler este blog e cuja factura te vou enviar para pagares!!!!! :P

beijinhos

Ricardo disse...

Escarlate.Due:

Estou a tentar resolver o "problema" da leitura neste espaço, a médio prazo estrá resolvido nem te vou dar tempo para comprares as lentes. :)

Quanto à falta de neurónios já vem de ha muitos a trás... E o mais repudiante, é que começou pelas altas patentes governamentais...

Beijo, continuação de boas festas.

Laura disse...

ê cá na gosto de futebol, de partidos politicos de religiões, de tanta coisa e passo ao alrgo de tudo...dali nenhum bem vem à humanidade. é tempo de mudar de estratégia e pensar apenas na evolução da raça humana e mais nada!...e por ali tudo surgirá sem atritos desde que todos evoluam um pouco!...
Apenas isso, falta educação, faltam maneiras e raça mais nobre e calma sem aquelas arremessos de bairrismos, somos todos um e todos devemos ser amigos irmãos etc etc, mas, ainda irá demorar...
Beijinhos e detesto claques também, se detesto, navalhas ,armas na bola e por ai fora...laura.

FERNANDA & POEMAS disse...

Querido Ricardo, belíssimo texto, com o qual estou totalmente de acordo... Continuação de BOAS FESTAS... Um grande Abraço de carinho,
Fernandinha

Armindo Guimarães disse...

Olá, malta!

Subscrevo inteiramente tudo o que disse o Ricardo no seu texto.
Com efeito, sou tripeiro de gema, daqueles que tem orgulho de trocar os vês pelos bês, os ão, pelos om, e de dizer carago. De tal forma que quando me desloco a Lisboa em serviço, se tenho de falar, vêem logo donde sou.
Contudo, detesto que confundam bairrismo com fanatismo e também aqueles que só pelo facto de clubisticamente serem do F.C. Porto, tenham forçosamente que ser anti-benfiquistas (refiro estes dois clubes como podia referir outros), como se não bastasse o facto de não gostar, ou seja, se eu sou do F.C. do Porto, é óbvio que não gosto do Benfica, mas porque raio também terei que ser anti?

Sobre o Porto e a malta tripeira, escrevi dois artigos (um deles publicado no JN), e que poderão ser lidos nos seguintes endereços:

“A malta da Invicta é do carago!”
http://splishsplashblog.blogspot.com/search?q=A+malta+da+Invicta+%C3%A9+do+carago%21

“Tripeira de Gema”
http://splishsplashblog.blogspot.com/search?q=Bib%C3%B3+Porto%2C+carago%21

Grande abraço, carago!

Roderick disse...

Sinceramente, sou de Lisboa, tenho sotaque lisboeta,já vivi no Porto, sou Sporting, já fui da Juve Leo, e nunca olharam de lado para mim nem fui maltratado no Porto pelo meu sotaque alfacinha!

Festas felizes!!!!!!!

Gugui disse...

Não podia estar mais de acordo contigo :)
Eu sou alfacinha e benfiquista e não é por isso que deixarei de receber ou tratar bem quem não o seja.

Por isso, já sabes Ricardo, quando quiseres vir até "cá abaixo", serás bem recebido ;-)

deedee disse...

Thank you for visiting my blog. Although I only speak and write English, I use the Google translator on my computer to translate your comments on my blog.
While surfing through blogs I ran across yours. I love the picture you have on it. Is it in Portugal? It is beautiful! Please visit my blog anytime. Hope your Christmas was great! DeeDee

Lize disse...

Concordo plenamente contigo. E a tua última frase resumiu tudo: já somos tão pequeninos, para quê ainda pôr fronteiras à volta de tudo e mais alguma coisa? Olha, eu cá sou do centro e gosto de toda a gente :P
Mas mesmo que não fosse, essas rivalidades são só e apenas uma coisa: estúpidas.

Beijocas

PAULO LONTRO disse...

Ricardo, o que escreves sobre a intolerância, é válido para quase tudo que separa as pessoas. Vivi em vários países e as rivalidades regionais, religiosas, políticas ou futebolísticas não são uma exclusividade de Portugal.
Posso mesmo dizer que acho que somos mesmo muito moderados.
Tudo o que é demais é erro e as rivalidades se têm muito de mau podem ter também muito de bom se forem encaradas serenamente como desafios a vencer, barreiras a ultrapassar e uma forma de diferenciar e aculturar.

Multiolhares disse...

`´E como dizes o bairrismo até pode ser louvavel quando não levado aso extremos.
julgo que acima de tudo é o respeito que tem de imperar, somos todos iguais mas diferentes cada ser é um individuo então tem vontades e valores diferentes para nos respeitarem temos de saber respeitar
beijinhos

Susanyttah disse...

Olaaaa! Peço desculpa de só retribuir o comentário agora.

É sempre bom defendermos aquilo com que nos identificamos, o problema é que as pessoas entram em exageros, fanatismos.
As pessoas têm a tendência de se esquecer que o mesmo vestido pode não servir a duas mulheres diferentes, ou seja, nada está completamente certo ou errado, tudo vai depender do ponto de vista.

Obrigado por teres passado no meu blog, volta!

Beijo

Ricardo disse...

Laura:

Não posso dizer que tudo isso me passa ao lado, porque estaria a mentir e se há coisa que eu sou é frontal...
Mas concordo contigo,também queria mais paz e armonia. :)

Beijo

Ricardo disse...

Fernanda:

Os assuntos sérios dão sempre textos reflectiveis...

Beijo :)

Tudo de bom para ti...

Ricardo disse...

Armindo Guimarães:

Caro amigo,é exactamente isso que penso e acredita que amo muito a minha cidade e tudo o que lhe diga respeito,mas não tenho a mentalidade fechada....
Como tal, partilho experiências e convivo em armonia com outras culturas e origens.
Porque caso contrário, os anos passavam e eu não evoluia...

Abração

Ricardo disse...

Deedee:

Yes, the photo bottom of the blog, is Portugal, is my city, the beautiful city of Porto.
Thanks for the visit.

Kiss

Ricardo disse...

Lize:

Estás a ser generosa, estupido neste caso é uma atenção gentil da tua parte...ahahah

A sério, eu também defendo muito as minhas origens mas sempre sem cair em estupides...

Beijo

Ricardo disse...

Paulo Lontro:

Paulo, tenho amigos pelo país todo, com diferentes ideias, crenças etc etc... E sabes o que fazemos quando nos encontramos?!
Não andamos à porrada nem nos insultamos por causa das diferenças entre nós, brincamos com isso amigavelmente e aproveitamos para crescer culturalmente.


Abraço :)

Ricardo disse...

Multiolhares:

Ora nem mais.

O meu respeito acaba, quando começa o desrespeito do outro..

Beijo

Ricardo disse...

Susanyttah :

Ola, obrigado pela visita.

Há pontos de vista que originam grandes tragédias!

Beijo, volta sempre...

Ricardo disse...

Gugui:

Obrigado pela simpatia, olha que vou cobrar! :)

Mas já que falas nisso... O meu melhor amigo, sim, esse gaijo com quem eu me dou como se de irmãos de tratasse, sofre de uma doença grave... É Benfiquista! Ahahah

O meu azar...

E sabes que mais, tomara muitos irmãos de sangue, se darem tão bem como nós e ter a nossa união como seres humanos.

Beijo :)

Ricardo disse...

Roderick:

Pois, ainda bem que já comprovaste que a cidade do Porto não é o que dizem por aí, há bom senso por estas bandas e respirasse um bom ar...
Mas infelizmente não é assim tão linear e devo dizer-te que tiveste a sorte de estares sempre no sítio certo há hora certa.
Conheço bem a minha cidade e os seus costumes, assim como, conheço bem a tua também e respectivo quotidiano.
Também vivi ai e nunca se passou nada de grave, mas também sei que tive sempre no sítio certo à hora certa.
Ainda há muita coisa a mudar…

Abraço